Qaeda Quality Question Quickly Quickly Quiet: remix conceitual de Lenka Clayton


Lenka Clayton (Inglaterra, 1977) é artista conceitual, artista visual e educadora. Grande parte do seu trabalho se relaciona com o cotidiano, com a manipulação do aparentemente trivial objetivando a sua expansão, de modo a desestabilizar as definições entre o que é cotidiano, o que é poético e o que é absurdo.


Em Qaeda Quality Question Quickly Quickly Quiet, Lenka Clayton se apropria do discurso “Axis of Evil”, proferido pelo então presidente dos Estados Unidos George W. Bush, em 2002. Elaborando uma espécie de remix audiovisual, Lenka edita e rearranja todas as palavras que compõem esse discurso em ordem alfabética.


Esse protocolo de procedimento aplicado em Qaeda Quality Question Quickly Quickly Quiet aproxima o trabalho de Lenka Clayton, por um lado, à escrita conceitual teorizada por Craig Dworkin. A produção de um novo discurso a partir da reelaboração da fala de George W. Bush submetida a um dado protocolo – a organização em ordem alfabética – cria outras camadas de sentido: embora fragmentado sintaticamente (o que gera um estranhamento), a nova disposição das palavras produz aproximações interessantes – como “development” (desenvolvimento) e “die” (morrer), semanticamente distantes mas alfabeticamente próximas. Além disso, é possível perceber o emprego quantitativo de determinadas palavras dada a sua repetição e recorrência – o que evidencia como o seu uso é estratégico dentro da argumentação construída no pronunciamento de George W. Bush, além de expor quais termos formam o vocabulário de seu posicionamento político. “America”, por exemplo, é dita 47 vezes, enquanto “respect” e “rights” (direitos) são mencionadas apenas 1 vez cada.


Por outro, Qaeda Quality Question Quickly Quickly Quiet também pode ser compreendido como um trabalho de escrita não criativa, conforme proposto por Kenneth Goldsmith. Lenka Clayton não é a autora do texto em questão: nenhuma palavra que ela manipula é criação sua. Coube a ela a extração e deslocamento integral de um discurso, produzido por um outro autor, de sua esfera sociocomunicativa original. Desse movimento, produz-se uma ressignificação que atribui ao texto deslocado algum coeficiente literário (ou poético, já que há também uma ênfase no trabalho com a mensagem, em definição proposta por Roman Jakobson) – prática essa que permite que o trabalho de Lenka Clayton receba também esse tipo de leitura.


Conheça mais sobre a obra de Lenka Clayton no site oficial da artista: http://www.lenkaclayton.com/


Oficina Palimpsestus - 2020. Todos os direitos reservados.