O volume do vazio_ esculturas de Rachel Whiteread

Rachel Whiteread (Inglaterra,1963) é uma escultora e artista plástica, sendo a primeira mulher a receber o Prêmio Turner, uma das mais conhecidas – e controversas – premiações de arte, organizado pela galeria Tate.


A técnica escultórica empregada por Rachel Whiteread consiste em preencher objetos do cotidiano (como cadeiras, estantes, armários, colchões, gavetas e caixas de papelão) e espaços comuns à arquitetura doméstica (como salas e escadas) com gesso, concreto, resina ou borracha. Uma vez preenchidos, os objetos e as instalações físicas desses ambientes são retirados, sobrando apenas o molde interno deles contido no material aplicado já solidificado.


A escultura resultante é basicamente o volume negativo das coisas, o vazio enformado, o vão preenchido – um signo formado por ambiguidades. É do não-espaço dos objetos e lugares que emergem as esculturas de Rachel Whiteread. Um exemplo disso é a obra House (1993 – destruída em 1994): situada ao leste de Londres, uma casa que estava para ser demolida foi preenchida de concreto. Após a secagem, a estrutura externa da casa – paredes, janelas, portas e telhado – foi retirada, expondo agora o volume do vazio que havia nela. Essa matéria residual agora é da ordem do inabitável – ou, na definição de Hal Foster sobre as categorias da arte contemporânea, uma “persistência fantasmática”, uma “máscara mortuária de objetos familiares e espaços maternais”.


O que está presente como escultura é a ausência do objeto que serviu de molde para a sua composição. No caso da obra House, simultaneamente a casa está e não está lá e é desse estranhamento (e aqui é oportuno mencionar o unheimlich – cuja raiz heim carrega consigo o sentido de lar, de casa enquanto espaço de familiaridade) que o coeficiente artístico da obra de Rachel Whiteread se potencializa.


Ghost (1990). Gesso e aço. 2,69 × 3,55 × 3,17m;


House (1993). Concreto, aço e madeira.


Judenplatz Holocaust Memorial [Nameless Library] (2000). Dedicado à memória dos 65.000 judeus austríacos mortos pelo nazismo. Concreto e aço. 10,0 x 7,0 x 3,8m. Viena;


Monument [Inverted Plinth] (2001). Resina. 9,00 x 5,10 x 2,40m. Trafalgar Square, Londres.


6 spaces (1994). Resina. Esculturas obtidas a partir do espaço vazio da parte inferior de seis diferentes cadeiras.


Embankment (2005). 14.000 blocos de gesso feitos a partir de uma caixa de papelão na qual a mãe de Rachel Whiteread guardava brinquedos antigos e enfeites de Natal.


Oficina Palimpsestus - 2020. Todos os direitos reservados.