Dois poemas de Adam Zagajewski


Adam Zagajewski (Lwow, Polônia – atualmente, Lviv, Ucrânia – 1945) é um premiado poeta, escritor, ensaísta e tradutor, sendo um dos mais importantes poetas poloneses contemporâneos.


Zagajewski se situa em um momento da poesia polonesa seguinte à geração de grandes poetas como Wisława Szymborska, Zbigniew Herbert e Czesław Miłosz. Zagajewski conseguiu não só conhecê-los como estabelecer amizade com eles. Em uma entrevista de 2018, quando perguntado sobre o que aprendeu com esses outros poetas, Zagajewski respondeu: “Aprendi, por exemplo, que a poesia não deve ser um esforço puramente estético. Se o seu país, se o seu mundo está sob ameaça, você deve discutir essas coisas nos seus poemas, não se pode esconder num paraíso de beleza. Um poeta tem de se interessar por tudo. Tem de abrir os olhos. Para a política, para a filosofia, para as ideias do seu tempo.”


Dissidente de uma poesia ideologicamente partidária, a poética de Adam Zagajewski preza pelo exercício da clareza de expressão e de sentido, uma forma de se opor à mesquinhez e à arrogância da humanidade – que acabam reverberando e sendo reproduzidas na linguagem.


Os poemas aqui apresentados possuem tradução de Marco Bruno e estão presentes na obra Sombras de sombras, uma boa reunião bilíngue da obra de Zagajewski publicada pela editora Tinta da China, em 2017. A seleção dos poemas também é de Marco Bruno, e contempla sete obras do poeta polonês: List; Oda do wielości (1982), Jechać do Lwowa (1985), Płótno (1990), Ziemia Ognista (1994), Pragnienie (1999), Anteny (2005) e Niewidzialna Ręka (2009).



Dois poemas de Adam Zagajewski

Tradução: Marco Bruno



Moi mistrzowie


Moi mistrzowie nie są nieomylni.

To nie Goethe, który nie może

zasnąć tylko wtedy, gdy w oddali

placzą wulkany, ani Horacy,

piszący w języku bogów

i ministrantów. Moi mistrzowie

pytają mnie o radę. W miękkich

płaszczach narzuconych pośpiesznie

na sny, o świcie, gdy chłodny

wiatr przesłuchuje ptaki, moi

mistrzowie mówią szeptem.

Słyszę, jak drży ich głos.



Os meus mestres


Os meus mestres não são infalíveis.

Não se trata de Goethe, que só conseguia

adormecer quando ao longe

gemiam os vulcões, nem de Horácio,

que escrevia na língua dos deuses

e dos sacerdotes. Os meus mestres

pedem-me conselhos. Vestindo macios

sobretudos deitados velozmente

por cima dos sonhos, ao romper dia, quando o vento

fresco interroga os pássaros, os meus

mestres falam por sussurros.

Consigo ouvir a sua voz trêmula.




W cudzym pięknie


Tylko w cudzym pięknie

jest pocieszenie, w cudzej

muzyce i w obcych wierszach.

Tylko u innych jest zbawienie,

choćby samotność smakowała jak

opium. Nie są pieklem inni,

jeśli ujrzeć ich rano, kiedy

czyste mają czolo, umyte przez sny.

Dlatego dłungo myślę jakiego

użyć slowa, on czy ty. Każde on

jest zdradą jakiegoś ty, lecz

za to w cuzym wierszu wiernie

czeka chłodna rozmowa.



Na beleza criada pelos outros


Só na beleza criada pelos outros

existe consolação, na música

e nos poemas dos outros.

Só os outros nos podem salvar,

mesmo que a solidão tenha o sabor

do ópio. Não são o inferno, os outros,

se os espreitarmos de manhã, quando

têm a testa limpa, lavada pelos sonhos.

Por isso cismo muito sobre a palavra

que hei de usar, “ele” ou “tu”. Cada “ele”

é uma traição a qualquer “tu”, mas,

em troca, um poema de alguém fielmente

oferece uma fresca, moderada conversa.




Adam Zagajewski. Sombras de sombras. Tradução Marco Bruno. Prefácio Adam Kirsch. Tinta da China, 2017. 200p.



Oficina Palimpsestus - 2020. Todos os direitos reservados.